Aqueda capilar em mulheres, também conhecida como alopecia, é recorrente, mas nem sempre chega a ser um problema de saúde. Quando há queda excessiva, no entanto, a recomendação é marcar uma consulta com profissionais da área de dermatologia para afastar a possibilidade de doenças e receber a indicação do tratamento adequado.

Mulheres de cabelos mais compridos ou mais volumosos têm tendência a notar prematuramente a queda de cabelos. Os sinais de alerta, no entanto, podem ser verificados por todas. Em caso de abertura de clarões no couro cabeludo, coceira ou descamação, a situação deve ser avaliada por um especialista.

Algumas doenças autoimunes, de tipo lúpus ou crônicas, como a diabetes e o hipotireoidismo, apresentam como sintomas a queda de cabelo. Anemia e câncer também podem provocar a alopecia. Outras hipóteses são mudanças hormonais bruscas, problemas emocionais e, até mesmo, dietas rigorosas. Antes de qualquer recomendação, o médico costuma pedir exames.

A queda de cabelo não está necessariamente ligada a uma faixa etária, mas o médico alerta que naturalmente, ao envelhecer, a mulher tende a ter menos cabelo.

O tratamento clínico varia de acordo com cada caso, mas pode incluir cremes, medicamentos, entre outros procedimentos localizados, como a utilização de laser fracionado não ablativo e a mesoterapia, que promove o crescimento de novos fios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *